segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

sede

vestirei a fantasia que quiser
serei princesa, bruxa, guerreira, feiticeira...
mas não deixarei escapar o que me faz quem sou
amarei como sempre
pintarei os dias com cores, das mais alegres
buscarei sempre os caminhos dos sorrisos e dos abraços
a vida corre com sede
e eu com ela

domingo, 28 de dezembro de 2008

2009

e lá do alto, abri os braços e um sorriso, desses largos
olhos fechados, braços abertos, pulmão cheio e sorriso
dava ao mundo o que tinha de melhor:
minha alma e essa vontade de seguir com fé como quem se ama de verdade
abandonando o que era culpa ou insegurança, me jogo
do alto
com o sorriso largo e uma vontade que nasceu junto comigo, salto...

que venha 2009

sábado, 27 de dezembro de 2008

P.S.Retrô


"tô relendo minha lida, minha alma, meus amores
tô revendo minha vida, minha luta, meus valores
refazendo minhas forças, minhas fontes, meus favores
tô regando minhas folhas, minhas faces, minhas flores
tô limpando minha casa, minha cama, meu quartinho
tô soprando minha brasa, minha brisa, meu anjinho
tô bebendo minhas culpas, meu veneno, meu vinho
escrevendo poemas, meu começo, meu caminho
tô podando meu jardim"
com xícara de chá e mel

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

solitude

abri as janelas logo cedo pra deixar o sol entrar
vesti vermelho
sinal da cruz pra proteger, sem medo do que virá
sacode o que é paz
e meu coração explode em estrelas
vez ou outra, vilarejo de solitude

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

mais uma vez




nos teus braços me encontro
nos teus olhos me perco
no teu coração me aconchego
nos teus lábios te bebo
te amo
e me entrego...



mais uma vez

sábado, 20 de dezembro de 2008


quando o tempo fecha
é o céu quer desabar
perto do limite
difícil de agüentar

eu volto pra casa
e Te peço pra ficar...
em silêncio

eu tenho muitos amigos
tenho discos e livros
mas quando mais preciso

eu só tenho Você...

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

rastro







um sorriso lindo se abre
então vem chegando pertinho
me inebriando com o cheiro único


que emana te ti

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Amor é jardim...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

menina


até que um dia
a gente acorda
bota os pés no chão da lembrança
tantos anos depois
passando apressada diante do portão acinzentado
que escondia detrás de si
o mundo onde aprendeu a sentir
a menina que fui, alguns segundos, certamente não mais que isso
foram suficientes para me fazer sentir novamente...
sapeca

domingo, 14 de dezembro de 2008

planeta amor

é puro clichê
há quem ache
que se torne piegas, até
afinal, é o que me invade

atento que o amor não se cale
alimento-me dessa doce realidade
sabor de sonho
o oposto de uma miragem

sábado, 13 de dezembro de 2008

elo

não sou poetisa
tampouco um anjo caído do céus
tenho todos os desarranjos à que uma alma tem direito
tenho um calcanhar de Aquiles
um escudo que esqueço de usar nas batalhas da vida
uma velha lança que machuca os outros e a mim
pés tortos por andarem às vezes sem rumo
um coração com um sistema precário de segurança
por isso me surpreende ver que este vento não traz apenas cartas
traz um elo entre semelhantes
e isso é que faz bem
no fim das contas
os motivos para escrever
são mesmo muito simples
crio elos

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

o ano acabando
o coração pulsando
verdinho de esperança

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

kairós






o que fazer com o agora
enquanto a vida está de fato sendo
experimentada
enquanto o presente
ainda está se desdobrando
o tempo é outro

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

um sinal

que venham as flores
de todas as cores
que venha o calor
que venham as manhãs
cheias de vontade de levantar da cama
que venha a brisa refrescando o meio-dia
que venham os fins de tarde com bichinhos voando ao redor das lâmpadas
que venha uma carta
num envelope amarelo
que venham as noites de janelas escancaradas
que venham os dias de praia
sandália de dedo e picolé
que venha a vontade de abarcar o mundo
e sorrir sem motivo

simplesmente porque é possível

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

ai

um buraco no peito me sufoca
a angústia da distância
daqueles amorosos e
confortantes olhos
agora congelados na foto do meu computador
reduzem-me a meros pedaços

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

dor

saiu encostando cuidadosamente a porta
atrás de si
na cama desarrumada
de lençóis amarfanhados no chão
travesseiros espalhados pelo quarto
o ex-amado dormia inocente
desconhecia ainda a dor que estava por vir
talvez fosse melhor assim
sem justificativas que não justificariam nada
sem lágrimas de parte a parte
sem desculpas e perdões
sem o coração em pedaços escorrendo pelos dedos
apenas sumir
como uma nuvem que se dissipa ao sopro do vento
como a chama de uma vela que se apaga
sem que ninguém se tenha dado conta

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

deixa estar

não invente um jeito novo de ser
permita que a vida te reinvente
deixe que o amor o impeça de se acomodar
deixa ele te levar pro melhor lugar
ele sabe
deixe estar

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

leveza

hoje me vejo caminhando
de mãos dadas com a vida
e em um pequeno trajeto
se me lembro das escolhas
percebo-me desvendando
das folhas, as cores e enigmas
deixo rastro de flores no ar
ah, mas quanta ousadia
andar assim...
pisando em poesias


terça-feira, 25 de novembro de 2008

simples assim

acordar
abrir os olhos com vontade
antes de escovar os dentes
levar o melhor de Deus consigo
deixar Deus o dia inteiro
ali ao seu lado
e...
dedicar pensamentos a Ele

simples assim...

terça-feira, 18 de novembro de 2008

de repente

de mansinho
a tardinha
como um sopro de vento
depois de escaldante calor
como beijo de amigo
como sorvete com calda
como saúde voltando
vida, expectativa, densidade
de repente
a noitinha
banho de cachoeira
patinação no gelo, bicicleta na descida
jabuticaba no pé, passarinho voando bem alto
de repente
como livro bom e rede
como parede caiadinha de branco
móveis antigos de madeira
música de chico
vestidos azuis
boina xadrez, cinema na praça com pipoca
janela com paisagem
de repente e luminosa
a alegria

terça-feira, 11 de novembro de 2008

então


às vezes a gente só precisa saber
se deixou alguma saudade
e nada mais...

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

noites com sol

como é que se dorme
quando muitas borboletas
festejam dentro da gente
provocando arrepios de tanta alegria?


se for assim
não reclamo por não dormir

...




felicidade é um negocinho simples

das janelas


quando o vento sopra assim
e muda o rumo das coisas
é normal que nossas asas se quebrem
é normal perder a direção

foi por causa dum vento
corri pra fechar as janelas de casa
achei que viria chuva
mas não veio

tinha era poeira por toda parte
gastei horas, dias, semanas, anos na limpeza
alguns objetos ainda estão encardidos

depois de um tempo
considero só um vento
o que há anos tinha força de furacão

todos os dias
assim que os olhos
rompem o silêncio

é preciso coragem

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

sou toda graça
estou viva
trago teus olhos no fundo dos meus
enquanto caminha distraído para o mundo que virá
onde escoa e finda nossa tempestade
barcos de madeira descascada ancoram suaves e redes são remendadas no detalhe

meu amor
deixei a porta aberta pra você

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

metamorfose

chega uma época na vida em que as coisas mudam de lugar
uma época onde metamorfoses sutis feito seda nas mãos de criança rebentam e se instalam
misturando-se aos velhos hábitos, à tatuagem de cicatriz, aos gostos pouco a pouco apurados (ou não) pelos caminhos afora
é nessa época que passamos a amar as pessoas pelos simples fatos da vida
um amor que vai se tornando etéreo e múltiplo de formas
eterno, sem saber

terça-feira, 14 de outubro de 2008

ao seu lado

tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta
de sol quando acorda
de flor quando ri...
ao seu lado me sinto no balanço de uma rede que dança gostoso
numa tarde extensa
sem relógio
sem agenda
tem gente que tem o cheiro das estrelas que o Criador acende no céu e das que conseguimos acender na Terra
ao seu lado me sinto comendo pipoca na praça
lambuzando o queixo de sorvete
melando os dedos com algodão doce
da cor mais doce que tem pra escolher
tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa
do brinquedo que a gente não largava
do acalanto que o silêncio canta
de passeio no jardim
ao seu lado me sinto visitando um lugar feito de alegria
recebendo um buquê de carinhos
O tempo é outro...

sábado, 4 de outubro de 2008

Vezenquando



há um lugar no teu peito que é meu
onde encosto a cabeça pra descansar meu coração
é meu só pra sentir alívio vezenquando
não é posse





...

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Refazenda

refaço
costuro o desfeito com linha de amor
bordo nos rasgos do sonho
uma estrela cadente
emendo as pontas
e invento novo tecido

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

viver e chorar
são sorrisos da alma


meu dia chora

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Dias melhores virão

é gostoso quando damos sentido as coisas
fazê-las melhores
tomar golinhos de prazer
e se embebedar de satisfação
há que existir bom senso em tudo
a vida sabe ponderar
trazer a medida certa
o amor exato
a mudança ideal
o escape

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Esperança




e agosto veio para plantar a semente de toda poesia de setembro

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Está sendo assim

me deixo guiar pelo que for acontecendo
sem nenhuma pretensão
uma brisa cintila o que há pouco escurecia
e mesmo assim é tão estranha a sensação do momento
os encontros comigo mesma ...
estou sendo pelo fato de renascer

domingo, 7 de setembro de 2008

Leveza


tão bom de sentir
dá vontade de sair rodopiando
bem de leve

naquela sintonia

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Lágrimas


foi vivendo que vi transformar
água salgada em doce água de navegar o amor
juntou o azul daquela alma
ao mel de seus olhos
vi o rio beijar o céu

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Vermelho




guardo um espaço no meu coração pros momentos que não cabem em palavras
explode de vermelho, não tem tamanho exato, mas toma forma, brilha

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Sou cor

às vezes prefiro o silêncio
mas transpiro palavras
por que não nasci pra dentro
e meu coração cheio, transborda
tão bonito, tão feio
num suor de palavras

rezo... danço... canto... vôo...

afinal sou feita de cor

domingo, 31 de agosto de 2008

Emoção a dois


a música me falava sobre você hoje
sobre nós ontem
sobre todas as peças da minha história
que não pára

a saudade é ensolarada

sexta-feira, 29 de agosto de 2008



a perda não abre buraco



deixa brecha para crescimento

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Ontem

ontem, em oração
as lágrimas pulavam sem controle

isto acontece quando me deixo
encher do amor de Deus

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Perfume

toda vez que preciso juntar os cacos de minh'alma
vejo-me criança
peço para ser essa a última vez
com o passar do tempo
sinto o perfume do alívio
esqueço
e sigo

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Janelas




você abre as minhas janelas
cuidadosamente
uma por uma
uma por dia
sempre na hora do sol entrar
e eu
sinto brotar em mim
flores lindas

domingo, 17 de agosto de 2008

lar doce lar


é fácil encontrar o caminho de casa

quando o lar é você

lavar a alma


as vezes saio à chuva
para encharcar minha alma

mesmo que seja de lágrimas

Gira... gira



Encosto-me em teu peito
esqueço-me do resto do mundo
que gira devagar
devagar

de-va-gar

de

va

gar...

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Plenitude

palavra cheia

quinta-feira, 7 de agosto de 2008

o tempo que me guarde


o tempo que passa
não passa,
perdura

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Frio que aquece


Deixei a cor me namorar e joguei um balde de água fria no frio que fazia aqui dentro. Queria calor na menina de meus olhos, pedi um beijo de cores.
Tive lembranças cor-de-rosa quando sonhei algodão-doce...

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Chove, chuva...


plantei margaridas e rezei para chover
aguardo, tranqüila o sopro do criador
tudo acontece no amor
seja lá como flor

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Matizes

Adoro brincar de fechar os olhos e viajar por países de seda, onde cada um escolhe a cor que tem e as opções não são apenas três, mas trezentas vezes três mil.
Homens violeta e mulheres cor de chumbo e ouro andam em ruas de vidro, atravessadas por plantas selvagens de todos os sabores e vertigens.

domingo, 6 de julho de 2008

Palavras com asas

hoje meu coração amanheceu sorrindo

milagre?

não
é para meu amor chegar bem perto do seu

domingo, 29 de junho de 2008

Universo paralelo

Revelação cor de rosa
intuição
desejo
insensatez

Revelação luminosa
sedenta de viver
gema envolvente
do querer

Revelação orvalhada
flor colhida
voz misteriosa
beijo leve
aragem sentida

quinta-feira, 19 de junho de 2008

dois lados

a vida tem dois lados
o real e o que a gente inventa

viver os dois lados é a grande sabedoria
lição de vida

sonhar e acreditar
coragem e esperança
contradição: clareza e humildade

e disso tudo me sirvo

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Leveza

uma leve turbulência pela manhã

logo irá desaparecer para dar lugar
ao mais leve de todos os sorrisos

logo o sol vai se abrir

em seus braços um amor calmo e sereno
em sua boca o gosto da saudade louca
em seu olhar os olhos de uma águia
em seu corpo o poço da nova descoberta

uma semana com dias belos

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Tatuagem

Invento canção de ninar para acalentar num só peito
e choro de encantamento
leio e não me sinto só
faço e refaço teias e nós
descubro asas em papel de seda

Quero um abraço colado daqueles de guardar segredos
gente com gente
com roupa ou sem roupa
com beijo na boca pra poder tatuar

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Tempo

Escrevo para mais tarde lembrar quem fui.

...


“De vez em quando Deus me tira a poesia.
Olho pedra, vejo pedra mesmo.”

Adélia Prado

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Sim

Sim, meu amor,
eu estou aqui e estarei.

No tempo desobrigado do futuro,
onde podemos sonhar sem ser vistos.
No fio do tempo.
No espelho d´água.
No grito de socorro.
Na dor de te perder. E de tentar te reconquistar.
Na foto a ser clicada.
Na chuva e no sol
nos labirintos da mente.
No outono
nos dias frios de inverno.
Como uma música leve
que firma harmonia enquanto se suspende pelo ar.
Como uma mulher toda nova,
que eu ainda não conheço. E temo.

Sim, meu amor, eu estou aqui.
Eu estarei sempre aqui.


Nos olhos molhados.
Estarei contigo quando conhecer Ilhas do Pacífico. E Japão. E Diamantina.
Quando virar o verão.
E a primavera começar a te cobrir de flores.
Nos salões e nos prêmios de honra ao mérito.
Nos hospitais e nos congressos.
Nas rapidinhas, nas demoradas.

Sim, meu amor, eu estou aqui.
Eu estarei sempre aqui.


Nas estréias de cinema.
Nas estradas empoeiradas de minas.
Nos aeroportos que ainda conheceremos
Estarei a postos quando estiver triste.
Estarei com você como com uma serena parte de mim mesma.
A parte que te pertence sem cobrar por isso.
A parte que te cabe, que me define, que me comove.


Sim, meu amor, eu estou aqui.
Eu estarei sempre aqui.

domingo, 18 de maio de 2008

Outro dia...

outro dia
braço dele encostado ao meu
veias pulsando vida

outro dia
um corpo quente e perto
que me conta sobre o amor

lembro então
o que é ser amada
e amar

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Envelhecer

até lá...
dá tempo de escrever um filho,
ter uma árvore
e plantar um livro

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Eu

Uma sensação de não dar conta
tudo ia perdendo a cor
o som
o sentido

uma surpresa...
ver o tempo passar
e o desejo continuar em mim

sábado, 3 de maio de 2008

Lágrima

Haverias, certamente, de ser somente
a semente que nascesse
e germinasse poesia.

Flerte

Fase frágil
crescimento do olhar
paixão passageira
na continuidade, o amor

Pergunta e resposta
canto de pássaro
coqueiro a balançar
momento raro

Vontade de ficar
para o almoço trivial
aeroporto que termina
num breve tchau

sábado, 19 de abril de 2008

Mar grande

Intensidade
toma meu ser
amplitude dos sentidos
paralisa e desnorteia

Busca do entendimento
deixa ir
deixa ser

Deram-se as mãos, serenamente
velas ao mar
depois navegaram-se noite a dentro

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Acalanto

Lágrima madura
de uma dor que perdura

Acalanto conhecido
colo suave
olhar refletido

Intimidade conseguida
carícias nos cabelos
sono profundo ao vê-lo

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Abrigo

Cobre o corpo
para o encontro amoroso

Imagem que envolve
encobre a pele
no imaginário do amado

Fantasia enamorada
que abriga cortesmente
o coração da amada

aconchego terno
generoso
cuidadoso

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Balada

Canção que entoa
que embala
o desejo de ficar a toa

Sino que toca
que soa
dando o tom e
levando a canoa

Tempo de ficar
carregando na cesta
lembranças...
tocadas no coração

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Pirilampos

por não ter visto
uma estrela cadente...

não dormirei jamais

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Segredo

Eco silencioso
sombras a seguir
longas rotas e mensagens
grito rico que devora
vida afora

que fazer da boca agora?

segunda-feira, 31 de março de 2008

Verso de mim

"Cores quentes e exageradas
Luz oscilante e avermelhada,
Fúria branca e alvorescente
Ora em paz ora descontente
Em versos tímidos adormeço
Vôo cego, sem medo esqueço
Pinto o céu em flor de letra
Para largar do corpo em fel
E florescer-me em borboleta"

quinta-feira, 27 de março de 2008

Transparência

Água límpida no olhar
sugerindo confiança
confidências segredadas
num tom de aliança

Doce espontaneidade
madura ingenuidade
alquimia infalível
buscando eternidade

Reflexo

Que mais posso querer
se todo dia posso ver
o brilho do nosso amor
refletido em teu olhar?

terça-feira, 25 de março de 2008

Charme

um par de olheiras bem colocado
pode ter um certo charme
mas não foi isto que o espelho
disse hoje pela manhã

domingo, 23 de março de 2008

Delicadezas

eu queria apenas pequenas delicadezas
daquelas que fazem sorrir espontaneamente
e que depois ficam guardadas-escondidas-encolhidas
no fundo dos olhos.

sábado, 22 de março de 2008

Suspiro na janela

então eu preguei meu coração atrás da porta
com alfinete do pierrot
descobri doses homeopáticas de amor
toda cura ali
todo mal acolá
toda reviravolta
toda alegria
todo sorriso
agora quero ser toda amor
e brincar de poesia

sexta-feira, 21 de março de 2008

Aquele olhar

procura-se

um olhar...

aquele olhar que meu pai lançava para minha mãe

como se não existisse nada nem ninguém além dela...
aquele olhar...

quinta-feira, 20 de março de 2008

Pouso

Leito do rio cor prata
tendas coloridas na barca
rede que aconchega e ata

Na beira do rio
pedras e flores como travesseiro
de camomila.
que brilha

Na sombra perfumada
o leito como cama
a borboleta pousa
no coração de quem ama

sexta-feira, 7 de março de 2008

Projetos

Lanternas encantadas
iluminam
escurecem

sonhos lavados pela razão

quarta-feira, 5 de março de 2008

Silêncio

...

segunda-feira, 3 de março de 2008

Ah você...

você me revela
essência pura
mel transparente
que adoça o tempo

sábado, 1 de março de 2008

Revelação

Álbum guardado
fotografias em cores
divididas por lugares
talvez por amores

Álbum vivo
fotografias reveladas
dividindo prazeres
talvez sabores

Álbum de viagem
fotografias recordadas
levando nus para longe
para cumplicidade bordada

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2008

Nudez

Desnudar o corpo
mostrar ao outro
o meu tesouro

Desnudar a alma
olhar para si
encontrar a ti

Desnudar o outro
atravessar a calmaria
entregar-se a ventania

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Maçã

sementes dilaceradas
pelo desejo vermelho
doce e ardente

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Querença

abertura das comportas
primavera nas margens
explosão fértil
curso de rio
alimento farto
desejo sutíl
apelo que clama
confusão que orienta
a ardência da chama
ai como te quero

domingo, 24 de fevereiro de 2008

O amor

"Ele é sabiá cantando
numa laranjeira em flor..."

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Sintonia

Rádio ligado
chamada ao telefone
fio que leva alivio.

Sintonia que confidencia
fantasia, sonho, alegria.

Pequenas coisas
umas coloridas, outras brancas.

O tempo consumido deduz
abertura do coração em luz.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Afago

Manuseia-me
com cuidado, meu bem.
Hoje eu quero
ser frágil.

Porque o mundo lá fora
é aflição, amor.
Hoje eu só quero
o afago da sua mão
- compaixão.

Aquiete-se

Por um instante
Respiração a dois
Pulsação dos amantes.

Pernas entrelaçadas
Braço presença
Numa bonita sentença

Aquiete-se! Quero sentí-lo em pleno vôo.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Essencial

Chaleira de ferro
Fumaça veludosa
de aroma gostosa!

Ai vida, que doçura
tal mistura.
Na bandeja na mesa
confetes de ternura,
ora veja!

Rumo a aventura
Em algum canto da cidade
Num tim tim
e o copo cheio de saudade!

Baú de poesias...

Abri meu baú...lá reencontrei a Jaqueline poetisa!
No meu coração um misto de sentimentos e lembranças: medo, alegria, dor, expectativa.
E agora?

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Você é pura poesia...

Enquanto você não chega, eu brinco de me envolver com esta manta fina onde misturo o tempo dos relógios e as horas suspensas da minha imaginação. E enquanto meu corpo estiver longe do seu, ou o seu estiver distante do meu, que façamos a lembrança presente do cheiro, das formas e de nossas texturas, a memória externa de nossa entrega de todos os dias.

Este é o tempo...Kairós

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecermos nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos."

O primeiro passo e já não estou no mesmo lugar!

Acho que vou criar coragem e começar o meu blog...
Está ai: SEM MARGEM...